segunda-feira, março 20, 2006

Clooneygate: mas será que a Ísis tinha razão?

Qual é o limite entre blogar e fazer jornalismo? A discussão é velha e ganhou mais um capítulo esta semana com a confusão aprontada por Ariana Huffington, a blogueira-celebridade, que vive publicando depoimentos de estrelas da política e do entretenimento em seu espaço na internet, um dos mais visitados – e valorizados – de Bushland. Pois bem, na semana passada, George Clooney, o próprio, apareceu nos domínios de Dona Ariana com uma mensagem se vangloriando por ser um liberal. Até aí morreu Neves, mas o problema é que ele não escreveu o texto, que pode ser lido aqui. A blogueira, soube-se logo depois, juntou uma série de declarações dadas por Clooney a Larry King (CNN) e ao jornal inglês The Guardian e produziu uma ‘exclusiva’ que nunca existiu.

Estava criado o Clooneygate, piada da semana nos blogs rivais de Ariana e nas páginas de mídia dos jornalões do país. Quanto mais se mexe na história, vai aumentando o interesse. Ariana conta que enviou à assessora de Clooney o texto para que ele aprovasse. E que só o publicou depois que o ator deu a devida permissão. O resultado é algo como um clipe de tevê, um quebra-cabeças editado a partir de cenas de um arquivo confiável, mas não identificado. Ágil, porém falso.

Quem lê o ‘texto de Clooney' é levado a acreditar que ele escreveu, de próprio punho, a ode liberal, em seu laptop, no conforto de sua villa italiana. “Eu não escrevi isso. Estas são respostas que eu dei, em contextos completamente diversos”, disse o ator. Clooney imaginou que as declarações iriam ser reproduzidas no blog da moça, contextualizando suas respostas. Depois de muita pressão e de pedradas diárias, dona Ariana finalmente pediu desculpas aos leitores e a Clooney e reconheceu o erro.

Agora, deixando de lado o acintoso ataque à ética jornalística, a gafe de Huffington me lembrou de uma velha história. Quem se lembra do inusitado pedido de casamento que Clooney teria feito à atriz Ísis de Oliveira quando ele era ainda pouco mais do que o bonitão da série Plantão Médico? A Ísis, coitada, acreditou piamente no conto do vigário e saiu comemorando nas páginas da imprensa carioca. Foi um mico escabroso. Mas Ísis se garantia com um documento da assessoria de Clooney confirmando o casório. Não sei não, mas eu fiquei com a pulga atrás da orelha: será que a assessora do Clooney era a mesma?

4 comentários:

Olga disse...

Querido, aquele caso eu acompanhei de pertinho, da redação do JB... A Ísis disse que iria fazer um filme com George Clooney e Julia Roberts - o que eles fizeram, anos depois, o Ocean's 11 - aqui no Rio! Mas parece que ela havia caído de uma roda gigante lá no Terra Encantada e ficado maluca. Depois, disse que andava namorando o George Clooney. Aí, a assessoria dele disse que eles jamais haviam se encontrado na vida, por isso era difícil o namoro acontecer. A Ísis acabou sumindo, casando com outro e até tendo filho.
Ah, mas acho que vou me apresentar pra fazer assessoria pro George Clooney...

Eduardo Graca disse...

Como assim ela 'caiu de uma roda gigante no Terra Encantada' e ficou maluca? Como assim???

carol zappa disse...

Hahahaha, tô me escangalhando de rir aqui. Olga, vc não existe!
Por isso que não conxtualizou a resposta da assessoria...
Sensacional!

Olga disse...

Vamos por partes, como diria Jack.
1. Havia um parque no Rio de Janeiro chamado Terra Encantada. Parque este que acabou sendo palco de festas, pois descobriu-se que carioca não é tão fanático assim por parques de diversões, mesmo quando ficam na Barra da Tijuca, o bairro com vocação pra Miami.
2. Acho que foi nesse parque que a Ísis andou passeando de roda gigante ou em algum brinquedo daqueles que são perigosos e despencou de lá de cima, tendo sofrido uma concussão no crânio, parece.
3. Logo depois disso, teve uma história que ela estaria na entrega do Oscar ou no Sundance, por causa de um filme qualquer que iria fazer.
4. Imediatamente, surgiram boatos que ela confirmou sobre seu namoro com o George Clooney.
5. Animada, espalhou também que Clooney e Roberts trabalhariam juntos em um filme.
6. Viriam todos ao Brasil, quando, então, ela, Ísis, se casaria com Clooney.
7. Daí pra frente veio o desmentido da assessoria.
8. Se eu fosse assessora do George Clooney, pra compensar essa confusão, ele já estaria fazendo documentário sobre guerra de traficantes no RJ, em vez de engordar pra ganhar Oscar.
9. Essa história toda foi uma grande boataria. Respeito muito a Ísis, o George Clooney e a Julia Roberts. E a Marisa Monte também. E o Michel. E a moça do blog que fez essa barafunda com o Clooney. e você. E Miami, o Terra Encantada, a Barra da Tijuca... E a Carol Zappa, claro! E...