quarta-feira, março 02, 2005

Do Meu iPod 01



Brazilian Girls

Elas não saem do meu iPod. A primeira vez em que me deparei com as Brazilian Girls, elas eram a atração mais corriqueira das noites de sábado no Nublu, um clube da moda no East Village, em Manhattan. Não se enganem, elas são aqui do Brooklyn. Não se enganem novamente, apesar do nome, não há qualquer menina brasileira na banda. Mais: a única mulher aqui é a bela Sabina Sciubba, dona de uma voz peculiaríssima, que nos chega aos ouvidos em cinco idiomas.

O disco, homônimo, que aterrizou na primeira semana de fevereiro nas melhores lojas do ramo da zona norte do mundo, já alcançou o sexto posto nos mais vendidos na seção de música eletrônica da Billboard. Calma. As Brazilian Girls navegam sim pelo eletro, mas do mesmo modo em que namoram o reggae, flertam com o jazz e ficam com a bossa nova sem culpa alguma e, o que é melhor, sem cair no pastiche boboca. Por estas e outras, já teve crítico deslumbrado escrevendo que o som do grupo dá uma idéia do que estaremos ouvindo na cena pop na metade do século XXI.

As Brazilian Girls atendem pelos nomes de Didi Gutman (teclados e efeitos especiais diretamente de Buenos Aires, namoradão de dona Sciubba e o único a tocar com uma brasileira de verdade, ainda que nascida em Nova Iorque, sua amiga Bebel Gilberto), Jesse Murphy (baixo, da Califórnia), Aaron Johnston (bateria, de Kansas City) e la Sciubba, cantando em francês, espanhol, inglês, alemão e italiano, ao bel prazer do ouvinte. A moça nasceu em Roma, cresceu em Nice e Munique e, seguindo a trilha da ciganada que forma a parte mais groovy desta cidade, acabou parando no Brooklyn.

Quando os quatro se juntaram e começaram a dar canjas no Nublu – também casa do Wax Poetic, o grupo em que dona Norah Jones começou a afiar sua vozinha – alguns engraçadinhos acharam as curvas de nossa Sciuba para lá de apetitosas e começaram a falar daquela banda da ‘garota brasileira’. O nome pegou e a Verve logo sacou que eles eram o grupo perfeito para dar um gás no lado mais alternativo-pop da gravadora, o selo Verve Forecast.

O disco transformou a lânguida Lazy Lover (Lazy Lover/ Casanova/ You roll over/when I want more/ I want moooooore) em favorita do povo chillout. A faixa, gerada na mesma fôrma fabricada pelos favoritos franceses do Air, ganhou um remix do house-expert Herbert e tocou a valer nas danceterias da cidade.

Agora os head-phones da megastore Virgin, na Union Square, são disputados à tapa. A galera mais antenada quer se deleitar com outros petardos poderosos: Pussy, um dancehall do bom a partir da história de uma menina sapeca enrolada com traficantes de drogas e cafetões, Ships In the Night, uma homenagem a Marlene Dietrich (!) com vibrafone e sampler de guitarra havaiana, e Die Gedaken Sind Frei (Thoughts Are Free), um rap em alemão com violino ao fundo mesclado com barulhinhos percussivos. Bom demais.

Dia 16 de março tem show das Brazilian Girls no Bowery Ballroom. Não perco. É que no palco elas são ainda mais saidinhas. Sciubba adora fazer uma performance enquanto entoa uma canção de protesto do campesinato alemão ou saboreia uma poesia de Pablo Neruda. Sim, ela é fanática por Neruda.

Muito mal comparando, as Brazilian Girls poderiam ser criaturas imaginadas por um DJ completamente esquizofrênico, obcecado por faixas que não têm absolutamente nada a ver umas com as outras, ao menos em uma primeira audição. Mas este mesmo DJ batuca o samba da brasileira doida dentro do maior bom gosto. Ah, claro, não dá para esquecer que Sciubba, antes de se tornar uma Brazilian Girl, lançou dois discos de jazz, You Don’t Know What Love Is (com o pianista Chris Anderson) e Meet Me In London (com o guitarrista Antonio Forcione), encomendas do ‘cool’ selo inglês Naim. A moça pode até não ser a garota de Ipanema, mas como Brazilian Girl ela convence o mais incauto dos ouvintes.

Um comentário:

Olga disse...

Da outra vez, apertei o ícone e foi mensagem.
Estou muito curiosa pra ouvir essas brazucas. E vê-las também.